sábado, 2 de abril de 2011

O Rio das Pedras



Boca do Rio das Pedras - (Foto Aidner Mendez)

O Rio das pedras é a mãe da comunidade; é o responsável pela existência, pela história e pelas tradições do povo da Boca do Rio. Sua nascente principal fica nos fundos do quartel do 19º BC do Exército, e só resiste devido à presença da unidade militar, que mantém preservada a mata em volta do quartel, usada como campo de treinamento. O Rio das Pedras foi dividido pela Avenida Luís Viana Filho (Paralela), a partir do Imbuí até desembocar na Praia da Boca do Rio, o rio alterna trechos de alta poluição, com outros que ainda oferecem condições de vida para a fauna e flora. Este rio é parte da vida e da história de todo um povo; matou a sede de indígenas, quilombolas e pescadores, banhou hippies, tropicalistas, comunistas e artistas, alem de alimentar gerações e gerações de pescadores e marisqueiros, com seus bagres enormes, guaiamus azulados e pitus suculentos.

(Foto do Google Imágens)

A Bacia Hidrográfica do Rio das Pedras (e Pituaçu) possui uma área de drenagem de, aproximadamente, 27km2. A sua parte alta possui, em média, 170ha de florestas em estágio médio e inicial de regeneração. Na parte baixa, o Rio Pituaçu foi barrado em 1906, formando a Represa de Pituaçu, um lago com 200.000m2 de espelho d’água, antigo manancial de abastecimento, localizado dentro do Parque Metropolitano de Pituaçu. Este Parque possui área de 440ha, com cobertura vegetal de remanescentes do ecossistema de floresta ombrófila, integrante do bioma Mata Atlântica, além de grande variedade de árvores frutíferas.
Os Rios das Pedras e Pituaçu, por sua vez, se encontram nas proximidades da Represa de Pituaçu, seguindo juntos com o nome de Rio das Pedras até a foz, na praia da Boca do Rio. Ao passar pela 2ª ponte da Av. Octávio Mangabeira, próxima à embocadura, com o largo canal de retificação do seu leito, o Rio das Pedras aparenta grande volume, sobretudo quando da maré cheia (com uma progressiva adução de água salgada que avança rio adentro).


Rio Pituaçú (Foto do Google Imágens)
Nessa bacia há um equilíbrio entre os usos residenciais, não residenciais (parte do DINURB e CAB), e áreas de preservação ambiental. Nas áreas residenciais existe grande densidade demográfica, além de ocupação desordenada de encostas e vales. Para análise dos parâmetros bacteriológicos e físico-químicos, a Bacia foi contemplada com nove pontos amostrais, sendo analisados não só os rios principais (Pituaçu e Pedras), mas também seus principais afluentes, dentre eles, o Rio Saboeiro.


 (O Hoje e o Ontem... A vegetação de Restinga está desaparecendo, e junto com ela os rios)

 Os bairros inseridos nessa Bacia são atendidos pelo Sistema de Esgotamento Sanitário de Salvador. Existem ligações clandestinas de esgoto à rede pluvial, em função de dificuldades topográficas, resistência por parte de cidadãos em conectar seus imóveis à rede coletora de esgotamento sanitário, ocupação desordenada, com a existência de imóveis sobre galerias e canais de drenagem (como, por exemplo, a ocupação do canteiro central da Av. Edgard Santos), em fundos de vale e encostas gerando dificuldades de implantação da rede coletora de esgoto.

O rio das pedras recebe também água de um pequeno minadouro próximo a represa do Pituaçú, no bairro do Bate Facho, as águas da bacia do Pituaçú também alimentam o rio das pedras em época de cheia de sua represa. A Bacia do Pituaçu, localizada na Região Metropolitana de Salvador-Ba, é formada pelos Rios Pituaçu e Cachoeirinha. Nesta Bacia encontra-se inserido o Parque Metropolitano de Pituaçu (PMP) que possui 430 hectares, num complexo de fragmentos florestais pertencentes ao Domínio de Mata Atlântica.


 Rio das Pedras, com a márgem ainda sem a cobertura criminosa de concreto (Foto de  Rogério Ferrari)

O Rio das Pedras perdeu seu mangue, em sua desembocadura as árvores nativas com suas raízes aéreas alimentavam as tilápias e nutriam a terra com suas folhas e frutos.
O rio já teve seu curso modificado pela ação do homem e da natureza, ele se dividia em dois braços (há versões que afirma que se dividia em três) e desembocava no mar em mais de um ponto. Segundo moradores antigos após um grande e poderoso inverno o movimento das dunas impediram a desembocadura do rio no mar e o trabalho de tratores abriu espaço onde hoje o Rio das Pedras se encontra com as águas do Atlantico.


Boca do Rio das Pedras (Foto de Aidner Mendez)


Apesar de todo processo de degradação, ainda hoje em 2010 o ecossistema do rio das pedras se mantém praticamente completo, porém escasso e doente; espécies importantes estão se perdendo, como a tartaruga de água doce que até pouco tempo ainda se via pelas escuras águas do Rio das Pedras, a Sucuri, a Jibóia, a Jararaca, o Jacaré, a Tilápia, o Bagre, a Traíra, o Camboatá, o Camarão, o Pitu, o Pare Vivo, Bicho Pau Aquático, Percevejo Aquático, Garça, Socó, Martim Pescador, Quero-Quero, entre tantos outros animais.


13 comentários:

  1. Amigos,a dança toma conta da Baixa Fria com as tipologias de dança pagode,samba,dança do ventre e forró.
    .Os eventos de dança tem excelente aceitação entre as famílias , pois alcançamos o nosso objetivo elevar a auto estima e uma interação equilibrada entre os nossos jovens.
    Pois, como é do conhecimento de todos, a localidade da Baixa fria na Boca do Rio é uma localidade de muitos conflitos.
    Acreditamos que a divulgação desses eventos nesse blog será como um presente.
    Portanto, nada mais justo do que oportunizarmos aos nossos jovens contatos e vivencias saudáveis , que valorizem o ser humano como um todo.obrigado por todo reconhecimento do trabalho na comunidade e saiba estou aqui para somar,Parabéns!Todo conteudo do blog está perfeito.
    Abraços,Branco Lider Comunitário da baixa fria.

    ResponderExcluir
  2. Sempre bom ler textos de qualidade sobre aquilo que amamos! A felicidade me acompanhou enquanto percorria as páginas do site! Parabéns pela iniciativa, concretização e principalmente pela pesquisa sobre a Boca do Rio, acredito que não deve ter sido fácil encontrar tantas referências históricas e culturais. Fico feliz em ver tantas pessoas conhecidas fazendo arte! Massa a divulgação do trabalho dos amigos! Prosperidade ao Boca do Rio Cultural! Flora

    ResponderExcluir
  3. Mais do que memória, é ação, é movimento, é política, é cultura e é história. parabéns pelo trabalho. Muito bom.

    ResponderExcluir
  4. Preservar o lugar é preservar o habitante do lugar. Natureza e homem, vivências, culturas...

    Parabéns à equipe que está promovendo este blog sobre a história e cultura da Boca do Rio.

    Iniciativa que merece aplausos.

    Valdeck Almeida de Jesus
    Escritor, Poeta e Jornalista
    www.galinhapulando.com

    ResponderExcluir
  5. Fico muito feliz e emocionado ao ler sobre a história do meu bairro que de coração eu adotei.
    Sempre que falam Boca do Rio logo me dá uma palpitação. Pois, me sinto parte deste lugar.
    Precisando de apoio, estaremos aqui.
    Abraços e vida longa a este espaço!

    ResponderExcluir
  6. Muito boa esta iniciativa. O pessoal da Boca do Rio está de parabéns. Conheço algumas pessoas deste projeto de memórias e luta cultural e ecológica e sei da seriedade dessas pessoas.

    Podem sempre contar com meu apoio.

    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Como um nascido e criado nessa comunidade,me sinto orgulhoso ...Parabéns a todos do blog !

    MAXIMO RESPEITO

    ResponderExcluir
  8. Adorei esse Blog, vou ler ele com calma, mas só em lembrar da Praia dos Artistas me deu uma saudade boa....!!!
    Parabéns!!!!!
    J. Veloso

    ResponderExcluir
  9. eu amei esse blog...
    só em saber que esta falandoo do nosso bairro fica muitoo interessante..
    é muitoo boom saber da historia onde nois nascemos ii vevemos.
    este blog esta de parabéns!

    ResponderExcluir
  10. Me criei nas ruas, vielas, práias e espaços da Boca do Rio. Lá conheci a arte que transborda das pessoas, das paisagens... Convivi com a violência q assola nossa comunidade, entendi que é necessário fazer diferente e o fiz. Mas, sobre tudo, agradeço a todos e tudo que me fez ser quem sou, da violência à arte, tds tem seu fundamental papel.

    Amo..amo..amo fazer parte dos frutos dessa árvore maravilhosa

    ResponderExcluir
  11. Falo por mim...

    Nesse bairro de salvador conheci um pouco mais da humildade, malandragem, muita cultura que parte de todos os lados e muito amigos e, apoio total um site referente azária!

    grande abraço aí a todos!

    vibrações positivas

    semmmpre...

    ResponderExcluir
  12. Alô Galera do Blog da Boca do Rio, deixo um muito obrigada pela compilação de informações. Percebi este presente hj no facebook de Marcio Meirelles com recomendações. Logo cai aki, e estou muito emocionada porque meu pai e familia foram nascidos e criados ai. Vou ver o blog de novo juntamente com meu pai,para que ele possa se deleitar com estas lembranças e saber que onde há gente jovem registrando o passado, há uma garantia de dias sempre melhores. Adorei... senti falta da Quadrilha Junina, que Carlinhos Brown me levou para conhecer... um abraço,
    Ivanna Soutto

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito de conhecer a história da Boca do Rio, parabéns pelo trabalho de divulgação.Vou recomendar no BLog do Rio Vermelho.

    ResponderExcluir