sábado, 2 de abril de 2011

Política

 Aqui a Política tem tônica forte, alem de ter abrigado reuniões da resistencia de esqueda contra a ditadura militar, bem como inumeros “aparelhos” de entidades estudantis, a Boca do Rio ainda é uma comunidade extremamente envolvida e participativa; não é atoa que o Projeto de Delimitação dos Bairros de Salvador iniciou suas atividades na Administração Regional IX, a qual abrange os Bairros da Boca do Rio e Patamares. O evento ocorreu no dia 13 de março de 2008, no Instituto Municipal de Educação Prof. José Arapiraca (IMEJA/Boca do Rio) e reuniu representantes das Associações de Bairro, ONGs, Lideranças Comunitárias e Entidades Civis.


Esta comunidade sempre foi pioneira nas discussões políticas que envolvem seu povo. Assim como o fracassado PDDU (Plano diretor de desenvolvimento urbano), quando o poder público convocou a comunidade para debater, e eis que como sempre, a Boca do Rio compareceu em massa e foi a primeira a terminar as discussões, além de ser a comunidade com mais contribuições ao PDDU.

O prefeito de Salvador, João Henrique Carneiro havia dividido os bairros por Administrações Regionais, a idéia era boa, participação popular, pena que em uma cidade de pequenos califas isto não daria certo.

A parte boa desta história foi que a Administradora Regional da nossa comunidade da Boca do Rio e adjacências foi muito bem escolhida, Tânia Penna tinha uma visão muito boa das coisas além de um tino para ouvir a comunidade e trabalhar junto com a população. A administração de Tânia Penna foi marcada por uma reviravolta na comunidade da Boca do Rio. 

A Boca do Rio deu um Show de cidadania sendo a comunidade que primeiro terminou as discussões e também a comunidade que mais apresentou votos contrários e modificações nos projetos. Mas aí veio a bomba mãe que mudaria os rumos de nossa comunidade, nos foi apresentado o projeto de um novo Emissário Submarino, que juntaria o esgoto não tratado da cidade de Lauro de Freitas e Região Metropolitana de Salvador e o despejaria sem o mínimo tratamento no oceano, a estação de condicionamento prévio seria numa área de Mata Atlântica do Parque de Pituaçu, que seria destruída para a construção do “Pinicão” como ficou conhecido; e pior, as tubulações passariam pelo meio da Praia dos Artistas, praia histórica da Boca do Rio.

Logo a Boca do Rio se Insurgiu sob organização de Tânia Penna, César Menezes, Nabor, Isabela Caldas, Iara Villanueva, Agnaldo Neiva, Luar do Conselheiro, o Prof. Gil entre tantos outros companheiros e  Passeatas foram sendo organizadas, Audiências Públicas, entrevistas na Imprensa. Neste momento a comunidade se juntou, e foram aparecendo mais demandas de luta como um muro criminoso que ergueram separando um condomínio de classe média de uma favela no Bate Facho, o “Muro da Vergonha” como foi chamado foi apenas uma das brigas comunitárias, logo as chuvas começaram e na Baixa Fria o caos tomou conta da Rua João Nunes da Mata. Uma encosta feita por uma construtora deslizou e levou muita lama para as casas. Quem tentava passar ontem pela rua não conseguia. Antes do incidente, a Prefeitura já tinha embargado a obra. E assim foi acontecendo, as lutas foram sendo travadas com toda a comunidade.


 A Boca do Rio é uma comunidade unida quando afetada, que já brigou muito por seus direitos e a todo o momento está pronta para brigar pelo justo, assim foi à luta para impedir a construção do Aeroclube; depois para impedir a construção do emissário submarino e depois a luta pela construção de um Parque para a comunidade numa área obsoleta pertencente ao Aeroclube Plaza Show, um shopping a céu aberto, além de inúmeras outras lutas.


O antigo Aeroclube Plaza Show, que está em reformas há mais de um ano e abrirá com o novo nome de Aeroclube Shopping & Office. O acordo feito entre a administração do Aeroclube e a prefeitura de Salvador, depois de muita pressão popular oriunda das inúmeras mobilizações das organizações da Comunidade num trabalho em conjunto; prevê a construção do Parque dos Ventos na localidade, num projeto contemplando a tradição de pipas e arraias nos céus da Boca do Rio, além de um anfiteatro para dar visibilidade ás inúmeras tradições culturais ali existentes. O projeto foi aprovado, porém as obras ainda não começaram.

Um comentário:

  1. Que massa esse blog! Parabens pra minha comunidade sempre. Essa e a BDR e suas vias, nas veias de quem vive de sua cultura e amarguras. Ase!

    ResponderExcluir